Google+ Seguidores

Leitura sem fronteiras - Tradutor

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Por que é tão difícil reagir?



Por que é tão difícil reagir?

Vivemos em um mundo lindo e repleto de momentos felizes e gloriosos, mas, apesar disso, muitos insistem em transformar beleza em feiúra, felicidade em tristeza e glória em desgraça. E o inacreditável é que quando isso acontece, mesmo dotados de razão, dificilmente reagimos.

Vejam um episódio que serve como exemplo dessas pessoas que tornam um mundo um lugar mais difícil para se viver:



No vídeo, já conhecido de grande parte dos internautas, a paciente está se sentindo muito mal e o médico se recusa a se levantar da cadeira para atendê-la. 

Alguns vão pensar o seguinte: "Mas hospital público é assim mesmo..." E esse discurso conformista, construído engenhosamente que dificulta uma ação de um povo que desconhece os próprios direitos e a história.

Esse médico, ao se formar, fez o seguinte juramento: 
"Eu, solenemente, juro consagrar minha vida a serviço da Humanidade. 
Darei como reconhecimento a meus mestres, meu respeito e minha gratidão. 
Praticarei a minha profissão com consciência e dignidade. 
A saúde dos meus pacientes será a minha primeira preocupação. 
Respeitarei os segredos a mim confiados. 
Manterei, a todo custo, no máximo possível, a honra e a tradição da profissão 
médica. 
Meus colegas serão meus irmãos. 
Não permitirei que concepções religiosas, nacionais, raciais, partidárias ou sociais intervenham entre meu dever e meus pacientes. 
Manterei o mais alto respeito pela vida humana, desde sua concepção. Mesmo sob ameaça, não usarei meu conhecimento médico em princípios contrários às leis da natureza. 
Faço estas promessas, solene e livremente, pela minha própria honra"

Após isso começa a trabalhar e aos poucos esse juramento perde o valor. Esse é um dos tipos que se tornou médico "porque dá dinheiro". Possivelmente ao longo da vida foi assim que aprendeu. Assim como ele, tá cheio de canalha por aí e a fórmula muda pouco, mas geralmente é assim...

A competição começa cedo,o cara nasce e se torna o xodó de todos até a chegada do novo bebê da casa. Dentro da própria família começa a disputa por atenção e geralmente os pais os estimulam a ser melhor do que os outros.

A competição se torna ainda mais intensa e interessante no seio escolar. Se destacar diante de tantos. Que desafio! Notas, aprovações, reprovações, diante da pressão aprende a colar e para crescer acha necessário pisar em outros. Encontra pela frente bons e maus professores, e provavelmente se espelha nos maus professores que fazem vista grossa ao seu comportamento torpe desde que corresponda com boas notas, não importam os meios, vale tudo para se dar bem. Assim, o infeliz vai obtendo a "flexibilidade moral" necessária para vencer não importa a que custo.

É importante também estar bem cercado, e um crápula já se une ao seu bando, afinal já se conhecem pelo cheiro. Já tem o advogado que vai livrar ele das acusações e se possível for, ainda incriminar a vítima. O psicólogo que vai mostrar os danos irreversíveis causados por anos de dedicação ao bem comum. O juiz amigo que olha o bolso e não a causa. O intelectual, que vai escrever um longo texto mostrando a injustiça que o canalha sofre. A grande mídia que o transformará em herói e vilão até que surja o novo patife. 

E finalmente o povo que mesmo com razão não reage porque é facilmente manobrável e que assiste a barbaridades como essas entre o futebol e a novela. Para perdoarem a si mesmos são conformistas e seguem com a eterna desculpa de que não conseguem mudar o mundo sozinhos. 

A vocês um recado: Não precisa mudar o mundo, apenas impeça o mundo de mudar você. Faça o que é correto, pense nos outros e não apenas em si. Lutem pelo bem comum. 

Você que batalha constantemente fazendo o que é certo vai ter razão nas suas reivindicações, mas o seu silêncio é o acabamento final de todo aquele processo de formação de canalhas que assolam o nosso mundo.   


Nenhum comentário:

Postar um comentário