Google+ Seguidores

Leitura sem fronteiras - Tradutor

domingo, 15 de setembro de 2013

E o conflito continua na Síria


Síria registra novos ataques após acordo entre EUA e Rússia


A Síria registrou novos ataques em redutos rebeldes de Damasco neste domingo (15/09), um dia após o acordo entre Estados Unidos e Rússia para remover as armas químicas do país. Ataques aéreos, bombardeios e ataques de infantaria no subúrbio de Damasco foram registrados na manhã deste domingo, depois de um recuo após o ataque químico de 21 de agosto, que provocou a ameaça de um ataque norte-americano. De acordo com a agência  Reuters, os ataques teriam sido feitos por aviões de guerra sírios contra redutos rebeldes da capital.
Outro atentado em uma estrada de Idleb deixou ao menos três pessoas mortas, incluindo jornalista que trabalhava para uma revista do governo, informou a agência oficial Sana. O ataque também deixou nove feridos e provocou danos materiais.
Pelo acordo firmado entre Estados Unidos e Rússia, a Síria terá de entregar em uma semana informação sobre seu arsenal de armas químicas para evitar um ataque. Se a Síria não cumprir os procedimentos para eliminar suas armas químicas, a ameaça de uso de força será incluída em uma resolução do Conselho de Segurança da ONU
Ao mesmo tempo em que se registraram os ataques, Damasco comemorou neste domingo o acordo entre Estados Unidos e Rússia para desmantelar o arsenal químico sírio, afirmando que ele "permitiu evitar a guerra", declarou o ministro sírio da Reconciliação, Ali Haidar.
"Nós saudamos este acordo. Por um lado, ajuda os sírios a sair da crise e, por outro, permitiu evitar a guerra contra a Síria ao deixar sem argumentos quem queria desencadeá-la", disse o ministro à agência estatal russa Ria Novosti.
"Este acordo foi possível graças à diplomacia e ao governo russo, é uma vitória para a Síria graças aos nossos amigos russos", disse Haidar.
O presidente Barack Obama disse que ainda poderá lançar ataques se Damasco não seguir o plano de desarmamento de nove meses da ONU desenhado por Washington e Moscou.
Os rebeldes sírios, chamando o foco internacional para o gás venenoso, evitaram comentar se o pacto poderia levar a conversas de paz e disseram que Assad retomou uma ofensiva com armas regulares agora que a ameaça de um ataque aéreo dos Estados Unidos diminuiu.
Fonte: Portal G1
A Opinião:
Desde a Invasão do Iraque pelos Estados Unidos, utilizando o mesmo argumento de agora no possível ataque a Síria, que é visível o "racha" no Conselho de Segurança da ONU. Essa divisão mostra o antagonismo entra o ocidente e o oriente, afinal temos de um lado Estados Unidos, Inglaterra e França e de outro China e Rússia.
Os estadunidenses atacaram o Iraque mesmo diante do veto dos orientais anteriormente, mas, agora, desgastados financeiramente por conta da crise de 2008, militarmente por estarem ocupados com o Iraque e o Afeganistão e principalmente, politicamente, uma vez que a malfadada "Guerra ao terror" gerou uma antipatia mundial em relação a politica externa dos Estados Unidos.
Já a Rússia mostrou força, ao conseguir no mínimo adiar o confronto militar, e conquistou a simpatia da Síria e à reboque das nações que condenam o imperialismo estadunidense.
Nesse evento o que é impressionante é essa "lógica ilógica". O ataque ocorreria por conta do uso de armas químicas que mataram centenas de pessoas, mas o conflito já matou milhares utilizando armas convencionais e continuará matando, principalmente agora que sabem que, em teoria, se não usarem armas químicas, não sofrerão retaliações. E mais, para livrar o povo da Síria dessa ameaça haveria um derramamento de sangue até superior ao visto até o momento.
De fato aquela região precisa de paz, mas é muito difícil ter paz quando muitos interesses conflitantes estão em jogo: petróleo, questões religiosas, estratégicas, étnicas e as inventadas por aqueles "vampiros gananciosos" sedentos por sangue.   

Nenhum comentário:

Postar um comentário