Google+ Seguidores

Leitura sem fronteiras - Tradutor

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Liberdade de expressão na internet


O Fato:

Novas mídias: debatedores destacam limites da liberdade e da privacidade na internet

A liberdade de expressão na internet pode ser definida não pelo fato de um internauta poder visitar um blog e “esculhambar” seu dono, mas pela chance que ele tem de abrir um blog próprio e falar o que quiser a respeito do outro. A distinção entre os dois comportamentos foi apresentada pela jornalista e blogueira Cora Rónai durante o painel “Liberdade de Expressão e a Internet”, do Seminário Política e Novas Mídias, realizado pelo Senado nesta terça-feira (14/06).

O problema, explicou a jornalista, é que as pessoas se esquecem que precisam lidar com as consequências de suas opiniões.

- A liberdade de expressão deve existir sim, mas também existe a responsabilidade legal. Você paga legalmente pelo que diz, e o que deve permear esses posicionamentos, sempre, é o bom senso. Não adianta pedir desculpas depois da ofensa – disse.

Para o blogueiro, consultor e professor Marcelo Minutti, as pessoas que extrapolam no uso das mídias sociais e da internet não têm consciência do meio em que se encontram. Às vezes se expõem sem saber, por não conhecerem a ferramenta com que estão lidando, que muitas vezes permitem determinar níveis de privacidade – caso do Twitter e do Facebook. Em sua opinião, os conflitos não se devem exclusivamente aos meios digitais ou às mídias sociais, já que estas só refletem a sociedade.

- Será que a sociedade está preparada para essa liberdade? – questionou.

Minutti e Cora Rónai opinaram que não é necessário criar novas leis para o ambiente da internet. Segundo eles, já existem muitas leis, e as que se aplicam ao meio social podem ser perfeitamente utilizadas para quem extrapola no ambiente virtual. 

A diretora da Secretaria de Pesquisa e Opinião do Senado (Sepop), Ana Lucia Novelli, afirmou que é do jogo democrático alguém dizer se gosta ou não de algo e que o cidadão tem direito de expressar sua opinião por qualquer meio. Mas, para ela, também falta habilidade às instituições para lidar com essa gama de opiniões diferentes, já que o público não se divide mais apenas entre os que amam e os que odeiam algo. Há várias posições intermediárias dependendo da ocasião e do momento.

Ana Lucia mencionou ainda que as pessoas estão aprendendo a lidar com as novas ferramentas de mídia e nesse aprendizado ainda fazem confusão em relação ao espaço e ao lugar da comunicação.

- Tuitar, ainda que seja do seu quarto, não é um ato íntimo, mas sim exposição pública – observou.

Nesse sentido, o mediador do debate, Jack Correa, vice-presidente de Relações Institucionais da Coca-Cola, disse que às vezes, durante esse aprendizado, as pessoas esquecem que o direito de um termina quando começa o do outro. Ele citou uma atualização de uma frase antiga para os tempos da internet:

- O ‘guarda a língua dentro da boca’, hoje, virou ‘tira esses dedos do teclado’. 


Antes do painel sobre liberdade de expressão, três palestrantes contaram suas experiências com a internet e as mídias sociais. Bruno Hoffmann, consultor da HoffGroup, frisou a necessidade de os políticos investirem na interação com os cidadãos, seja por meio de blogs ou pelo Twitter, por exemplo.

Segundo Hoffmann, os políticos hoje sabem que precisam das redes sociais, mas na maioria dos casos falta pensamento estratégico para fazer algo relevante. Ele se disse espantado, pois acreditava que, após as eleições, com o crescimento das ferramentas digitais, os políticos estariam mais ativos no uso das mídias sociais.

Fernando Palacios, consultor e palestrante de Transmídia Storytelling, argumentou que uma história bem contada, com a identificação do receptor com o tema, consegue mudar uma percepção desfavorável e que tal recurso deveria ser usado pelo Congresso.

- É necessário mostrar como a política afeta a vida da população, tocando-a pelo lado sentimental, mas sem impor qualquer posicionamento, somente sugerindo e pinçando casos reais, mostrando na prática como funciona.

Já Marcelo Minutti destacou o poder do celular e do smartphone – dispositivo que em sua opinião é o mais íntimo da história da humanidade. Para ele, esses canais jamais poderão ser ignorados em qualquer estratégia de comunicação de uma instituição, ainda que seja pelo envio de mensagens de texto SMS.
A Opinião:
O alcance das opiniões nas redes sociais é maior do que muita gente pensa. Os benefícios e estragos delas também. É necessário evitar desabafos na internet, pois ao desabafar o usuário pode estar machucando alguém de maneira direta ou indireta e como o desabafo se dá através de textos escritos, vídeos ou arquivos de voz, fica muito complicado desmentir depois.
O famoso "Você tem o direito de permanecer calado, tudo o que disser poderá ser usado contra você..." tem que ser levado ainda mais a sério nos dias atuais. A sensação muitas vezes é de que a liberdade alcançada com a internet se torna na verdade uma grande prisão. A pessoa emite uma opinião da mesma forma que caminha sobre um campo minado.
O fundamental é saber que a sua liberdade não pode ferir a outros, o seu direito termina quando começa o dos outros.

O Debate:

Na sua opinião, até onde vai a liberdade de expressão na internet?


quarta-feira, 29 de junho de 2011

Rebeldes na Líbia são armados pela OTAN



O Fato:

França lança armas de pára-quedas para rebeldes líbios

O Estado-Maior das Forças Armadas de França confirmou desta forma uma informação publicada esta quarta-feira pelo jornal Le Figaro que, citando uma "fonte francesa bem colocada", noticiou a largada de lança-mísseis, espingardas de assalto, metralhadoras e mísseis anti-tanque, entre outras armas. 
No início de Junho, a situação humanitária naquela zona era muito precária, pelo que aviões franceses lançaram "ajuda humanitária - víveres, água e material médico", segundo o porta-voz do Estado-Maior, coronel Thierry Burkhard.
"Durante as operações, a situação dos civis no terreno degradou-se. Também largamos armas e meios para lhes permitir defender-se, essencialmente munições", acrescentou.Tratou-se, segundo o porta-voz, de "armas que podem ser manejadas por civis, armamento ligeiro de infantaria, tipo espingardas".           
"Como a situação humanitária se degradou, completamos as entregas humanitárias com algumas armas", insistiu, acrescentando que foram "algumas largadas pontuais, durante vários dias, para evitar que os civis fossem massacrados". 
Uma fonte citada pela France Presse indicou por seu lado que França enviou armas, tanto lançadas de pára-quedas como através das fronteiras terrestres com os países vizinhos. Segundo essa fonte, 40 toneladas de armas foram enviadas para a região, nomeadamente "tanques ligeiros".
A decisão terá sido tomada na sequência de uma reunião em meados de Abril entre o presidente francês, Nicolas Sarkozy, e o chefe do estado-maior dos rebeldes líbios, o general Abdelfatah Younes.
Fonte citada pelo Figaro indicou por seu lado que o envio de armas foi decidido com base no interesse de França em dar apoio aos rebeldes naquela frente sul do combate contra o regime de Muammar Kadhafi.

A Opinião:

É assim que a OTAN promove a paz? O Envio de armas tinha o "nobre" objetivo de impedir que os rebeldes fossem massacrados. Agora a pergunta que não quer calar: Se o objetivo era esse por que não falaram ao mundo inteiro através de nota oficial? 

Vive-se em um mundo dominado pelo medo, onde os vilões são colocados como heróis e as vítimas como culpados. O que está acontecendo em vários países africanos parece muito com o que aconteceu durante a colonização das Américas, quando colocavam tribos indígenas rivais para lutar por países europeus. Alguns séculos depois, algo parecido acontece: Em vez da OTAN assumir o confronto, armam os rebeldes e aparecem como salvadores, afinal os pobres rebeldes seriam massacrados pelo cruel e sanguinário ditador. 

 

As "fronteiras artificiais" definidas pelos europeus (que pensaram apenas nos próprios interesses) colocaram tribos inimigas dentro de um mesmo território e com um vácuo de poder com o fim do neocolonialismo. É obvio que essa medida levaria a confrontos.

E é essa covardia que revolta, criam o problema, culpam as vítimas pelo problema e aparecem como solução. 

 

O Debate:

Qual é o real objetivo da OTAN?



terça-feira, 28 de junho de 2011

Jogos Violentos









O Fato:

Corte dos EUA derruba lei que proíbe venda de jogos violentos a menores

De acordo com o site VG247, a Corte Suprema dos Estados Unidos acaba de vetar uma lei da Califórnia que queria proibir a venda de jogos violentos a menores de idade (jogadores abaixo dos 17 anos) do país. A decisão da comissão julgadora pôs fim à tentativa do governo do estado em promulgar uma nova legislação, assegurando os direitos constitucionais da produtoras de games.    

Segundo a nota oficial liberada pela Corte, os jogos eletrônicos foram classificados como meios de propagação de ideias e mensagens sociais, e somente os usuários é que devem julgar o que é potencialmente maléfico ou perigoso para eles.
"Assim como os livros, os filmes e os brinquedos, os videogames comunicam ideais e mensagens sociais através de muitos ramos literários familiares (personagens, diálogos, enredo e música) e através de características diversas das mídias (como a interação com o mundo virtual). Sob nossa Constituição, julgamentos sobre a moral e a estética  na arte e na literatura podem ser feitos apenas para os indivíduos que as utilizam e não por decreto obrigatório de um Governo e sua cúpula julgadora", informou a nota.
Esta é, sem dúvida, uma ocasião bastante positiva para a indústria dos jogos eletrônicos. Ainda mais quando decisões como estas vêm de um país cujo mercado do nicho é considerado o maior do planeta.


A Opinião:

Culpar os jogos pela violência da sociedade é menosprezar a capacidade de discernimento de toda uma geração. Desde muito jovens assistimos a desenhos como Tom e Jerry que se pararmos para analisar são muito violentos, porém desde novos aprendemos que é apenas um desenho e que não devemos copiar tal comportamento, até rimos pelo exagero na dose da violência.
Filmes também mostram um mundo violento, o que não quer dizer, por exemplo, que ao assistir Velozes e Furiosos você deva pegar um carro e acelerar absurdamente na Ponte Rio-Niterói.
Em todas as artes é possível observar a violência, nas pintura, na música, no cinema e outras, porém não é isso que torna a sociedade violenta. Muitas vezes e para muita gente ver violência é entretenimento, mesmo aqueles que não querem o mal de ninguém. Prova disso é o sucesso dos "favela movies" brasileiros.
O que é preciso tomar cuidado é com a ideologia, com as mensagens passadas pelos jogos, que as crianças saibam que é apenas um jogo e não um exemplo a ser seguido. 
A proibição nas vendas funciona? Claro que não, na verdade a proibição apenas coloca os jogos mais em evidência, atiça a curiosidade, as crianças arrumam um jeitinho para jogar. Se fosse para proibir, teria que ser feito durante a produção do jogo, para não deixar sequer entrar em circulação, mas isso não foi feito.
A sociedade precisa saber que violência não tem consequências positivas, o mais importante é ter diálogo.

O Debate:
Você acredita que os jogos violentos são responsáveis pela violência nas cidades?


segunda-feira, 27 de junho de 2011

A União Europeia e os brasileiros

O Fato:

Brasileiros foram os mais barrados em aeroportos da UE em 2010

 

Os brasileiros são os estrangeiros que mais tiveram a entrada recusada, em 2010, nos aeroportos de países que integram a União Europeia, além de ser o sexto grupo com mais permanências ilegais detectadas, informa a BBC.
De acordo com a agência europeia de controle de fronteiras (Frontex), no ano passado, 6.072 brasileiros foram barrados pelas autoridades europeias ao tentar entrar no bloco por via aérea, o equivalente a 12% do total de entradas recusadas.
Quase 30% dos casos envolvendo brasileiros ocorreu na Espanha, onde 1.813 pessoas foram enviadas de volta ao Brasil, principalmente por não poder justificar o motivo da viagem ou as condições de estadia no país. Os brasileiros também foram os mais barrados nos aeroportos da França em 2010, com 673 casos.
O Brasil mantém a primeira posição entre as entradas negadas nos aeroportos europeus desde que a Frontex começou a contabilizar o dado, em 2008, mas a agência destaca que o número de casos caiu 24% no ano passado em relação a 2009.
Em segundo lugar, muito atrás do Brasil, estão os Estados Unidos, com 2.338 cidadãos barrados às portas da UE em 2010, o equivalente a 4,8% do total, seguidos de Nigéria, com 1.717 barrados, e China, com 1.610.
Apenas outros dois países latino-americanos estão entre as dez nacionalidades mais recusadas nas fronteiras aéreas europeias: Paraguai, em sexto lugar, com 1.495 entradas negadas, e Venezuela, em décimo, com 1.183.
De maneira geral, considerando também fronteiras terrestres e marítimas, os brasileiros foram a quarta nacionalidade mais recusada pela UE no ano passado, com 6.178 negativas – o equivalente a 5,7% do total.
Em primeiro lugar ficaram os ucranianos, que responderam por 17% do total, com 18.743 negativas, seguidos de russos, com 9.165 negativas, e sérvios, com 6.990.
No ano passado, a Frontex também detectou 13.369 brasileiros vivendo ilegalmente em algum país da União Europeia – a maioria deles em Portugal, Espanha e França.
O número representa 3,8% do total de residentes ilegais identificados no bloco em 2010 e coloca o Brasil na sexta posição da lista, liderada por Marrocos, com 6,3% do total. Na frente dos brasileiros, também ficaram os cidadãos do Afeganistão, Albânia, Sérvia e Argélia.
Nenhum outro país da América Latina figura está na lista dos dez primeiros entre as nacionalidades com mais ilegais detectados.

 

A Opinião:

Resta saber de quem é a culpa. Será que os brasileiros estão tentando entrar de maneira ilegal nos principais países europeus ou a xenofobia está cada vez mais aflorada no velho continente?
Parece que a parceria Brasil-União Europeia vai muito bem no campo econômico apenas. Seria interessante que houvesse um intercâmbio cultural e turístico também. Que os europeus sejam muito bem vindos no Brasil e que os brasileiros sejam bem tratados quando forem à Europa, lógico sempre respeitando às leis e não na base do "jeitinho brasileiro".

O Debate:

Vocês acham que a culpa dessas barrações é dos turistas brasileiros ou da má vontade dos europeus?

domingo, 26 de junho de 2011

Preservação Ambiental

Ontem fez 2 anos da morte do Michael Jackson, o post de hoje traz um dos seus mais belos vídeos, com uma letra e música fantásticas. Aproveite!


Tradução:

Canção da Terra

O que aconteceu com o nascer do sol?
O que aconteceu com a chuva?
O que aconteceu com todas as coisas,
Que você disse que iríamos ganhar?
O que aconteceu com os campos de extermínio?
Essa é a hora.
O que aconteceu com todas as coisas,
Que você disse que eram nossas?
Você já parou para pensar em
Todo o sangue derramado antes de nós?
Você já parou para pensar que
A Terra e os mares estão chorando?

Aaaaaaaaah Oooooooooh
Aaaaaaaaah Oooooooooh

O que fizemos para o mundo?
Olhe o que fizemos.
O que aconteceu com toda a paz?
Que você prometeu a seu único filho?
O que aconteceu com os campos floridos?
Essa é a hora.
O que aconteceu com todos os sonhos
Que você disse serem nossos?
Você já parou pra pensar,
Sobre todas as crianças mortas pela a guerra?
Você já parou para pensar que
A Terra e os mares estão chorando?

Aaaaaaaaah Oooooooooh
Aaaaaaaaah Oooooooooh

Eu costumava sonhar
Costumava viajar além das estrelas
Agora já não sei onde estamos
Embora saiba que fomos muitos longe

Aaaaaaaaah Oooooooooh
Aaaaaaaaah Oooooooooh

Aaaaaaaaah Oooooooooh
Aaaaaaaaah Oooooooooh

O que aconteceu com o passado?
(O que aconteceu conosco?)
O que aconteceu com os mares?
(O que aconteceu conosco?)
O céu está caindo
(O que aconteceu conosco?)
Não consigo nem respirar
(O que aconteceu conosco?)
E a apatia?
(O que aconteceu conosco?)
Eu preciso de você.
(O que aconteceu conosco?)
E o valor da natureza?
(ooo, ooo)
É o ventre do nosso planeta.
(O que aconteceu conosco?)
E os animais?
(O que aconteceu conosco?)
Fizemos de reinados, poeira.
(O que aconteceu conosco?)
E os elefantes?
(O que aconteceu conosco?)
Perdemos a confiança deles?
(O que aconteceu conosco?)
E as baleias chorando?
(O que aconteceu conosco?)
Estamos destruindo os mares
(O que aconteceu conosco?)
E as florestas?
(ooo, ooo)
Queimadas, apesar dos apelos
(O que aconteceu conosco?)
E a terra prometida?
(O que aconteceu conosco?)
Dilacerada pela ganância
(O que aconteceu conosco?)
E o homem comum?
(O que aconteceu conosco?)
Não podemos libertá-lo?
(O que aconteceu conosco?)
E as crianças morrendo?
(O que aconteceu conosco?)
Não consegue ouvi-las chorar?
(O que aconteceu conosco?)
O que fizemos de errado?
(ooo, ooo)
Alguém me fale o porquê
(O que aconteceu conosco?)
E os bebês?
(O que aconteceu conosco?)
E os dias?
(O que aconteceu conosco?)
E toda a alegria?
(O que aconteceu conosco?)
E o homem?
(O que aconteceu conosco?)
O homem chorando?
(O que aconteceu conosco?)
E Abraão?
(O que aconteceu conosco?)
E a morte de novo?
(ooo, ooo)
A gente se importa?

Aaaaaaaaah Oooooooooh
Aaaaaaaaah Oooooooooh
 
 
A mensagem é atual e pequenas ações fazem a diferença. Aproveite tudo o que a natureza pode te oferecer, mas com responsabilidade.

sábado, 25 de junho de 2011

Crise do Lixo

O Fato:

Crise do lixo volta a Nápoles, com 2300 toneladas nas ruas

Mais de 50 incêndios foram ateados ontem de madrugada pelos habitantes de Nápoles nos montes de lixo empilhados nos bairros da cidade, obrigando à atuação dos bombeiros. A crise agravou-se nos últimos dias, com a acumulação de mais de 2300 toneladas de sacos com resíduos nas ruas, incluindo no centro histórico.
Há meses que o lixo se acumula nas ruas e os napolitanos - cansados da situação - subiram o tom dos protestos. "É essencial e urgente intervir na aguda e alarmante deterioração com a crise do lixo em Nápoles", afirmou ontem o presidente italiano e natural da cidade, Giorgio Napolitano, pressionando o governo do primeiro-ministro Silvio Berlusconi para encontrar um solução.
A crise do lixo, que se repete esporadicamente há anos, é resultado de disputas políticas, de corrupção e da influência da máfia Camorra, que controla negócios do ramo de limpeza urbana na região. Já Berlusconi atribui o problema a políticos locais, mas muitos italianos consideram o seu governo como maior responsável. O autarca de Nápoles, Luigi de Magistris, que assumiu o cargo apenas há dez dias, ordenou na quinta-feira, como medida de urgência, que a recolha de lixo fosse feita 24 horas por dia e que os caminhões de limpeza sejam escoltados por guardas armados. Numa entrevista ao "La Repubblica", Magistris afirmou que existem "diversos meios que querem que Nápoles permaneça sepultada sob o lixo, seja para especular politicamente, seja porque respondem a interesses pouco lícitos".
"Berlusconi quer deixar que a situação apodreça para voltar a aparecer como o salvador da pátria", disse ao "El Mundo" uma porta-voz do presidente da câmara perto da praça municipal, cheia de sacos de lixo azuis e pretos. Já os estrangeiros na cidade não entendem bem o que se passa. "Há duas semanas dormimos aqui e estava tudo limpo, ontem voltamos e havia um cheiro insuportável e tudo estava a arder", contaram Helger Wiese, de Amsterdã, e Vanessa Englebert, de Bruxelas, ambos com 29 anos. Quem já está habituado ao espetáculo, e ri para não chorar, são os napolitanos: "Toda a política é suja e é igual quem vier, isto não tem solução", comentou o residente local Gigi, com o jornal espanhol. 


A Opinião:

O lixo é um problema para o qual a humanidade ainda não encontrou solução. Fala-se em reciclagem, mas são poucos os lugares no mundo onde se faz coleta seletiva. É a medida mais sensata, mas parece que não é rentável. Essa dedução vem do simples fato de ainda não existir uma grande empresa que viva da reciclagem.
Trata-se de uma questão tão importante que vira arma no jogo político, uma cidade limpa é atraente aos olhos dos turistas. Além disso, uma coleta bem feita diminui o risco de contrair doenças, diminuindo os gastos com saúde pública. 
A praticidade dos descartáveis vai cobrando o seu preço.

O Debate:

A coleta seletiva deveria ser obrigatória?

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Pottermore

O Fato:

Magia: Harry Potter já vive na Internet

O feiticeiro Harry Potter já vive na Internet. A autora da personagem, J. K. Rowling, desenvolveu um site interativo, disponível a partir de outubro, onde os leitores passam a fazer parte das histórias.
O mundo de Harry Potter pode agora ser vivido online. Pottermore é uma espécie de rede social para os fãs do feiticeiro. Aqui vai ser possível viver as aventuras de Potter em Hogwarts.
Para ser colega de Harry vai ser preciso escolher um nome mágico, ir às aulas de poções e comprar uma varinha. 

 

A Opinião:

Talvez essa seja a primeira grande saga da geração internet, o fato é que será a primeira saga a abandonar o espaço rumo ao ciberespaço. Muitos vão dizer que a saga já estava presente tanto na vida real (apesar de ser um personagem) quanto no mundo virtual. 

Mas o plano principal do personagem e das histórias se encontrava no espaço geográfico, através dos livros, filmes e muitos fãs e esse plano principal deve migrar para o ciberespaço onde esses muitos fãs poderão inclusive se tornar personagens e interagir nas histórias.

A ideia é genial, pode e deve ser seguida em breve por muitas outras sagas (apostaria inclusive que a próxima a trilhar esse caminho é a saga Crepúsculo), a autora J. K. Rowling acertou em cheio inclusive no momento de lançar a ideia, renovando o fôlego do personagem bem antes de acabar e assim vai ganhar oceanos de dinheiro.

É a internet se consolidando a cada dia que passa como principal meio de comunicação mundial.  

 

O Debate:

Qual é a saga dos cinemas que marcou a sua vida?


quinta-feira, 23 de junho de 2011

Hora de gritar

O novo slogan do Governo Federal é "País rico é país sem pobreza", nosso povo está entusiasmado. Agora sim a desigualdade social no nosso país vai acabar. Somos felizes por termos políticos em nosso país que pensam apenas no bem do povo e não no próprio benefício, que são honestos e trabalhadores, que lutam para que cada brasileiro tenha um futuro melhor. É tanto comprometimento com o país que chega a emocionar até mesmo o mais frio dos brasileiros.
Tá legal, já pode parar de rir, infelizmente a nossa realidade não é essa. Os vídeos abaixo fazem uma comparação entre o custo do parlamento sueco e o custo do parlamento brasileiro. Observem:

Como funciona o parlamento na Suécia:


Como funciona o parlamento no Brasil:


O custo do parlamento brasileiro é monstruoso e pago com o dinheiro dos impostos, ou seja, cada brasileiro trabalha cerca de 4 meses para praticamente bancar mordomias de políticos. Se o brasileiro quer saúde de qualidade precisa pagar por um plano de saúde, se quer educação de qualidade precisa estudar em escolas particulares, se quer ter segurança precisa colocar os bens no seguro ou instalar alarmes, cercas elétricas, câmeras e outros e se quer andar em boas estradas precisa pagar pedágio. Enquanto isso, todas as mordomias possíveis para uma corja despreparada que representa o povo brasileiro.
Alguns dirão que a culpa é do eleitor, afinal são os eleitores que colocam os ratos lá. Mas sabe-se que não são todos corruptos, nenhuma generalização é sadia ou mesmo correta. O que revolta é a impotência ou a covardia desses políticos honestos que permitem que essa roubalheira continue legalizada e com isso o povo brasileiro continue sendo lesado eternamente.
O Brasil é uma nação emergente que já deveria estar no grupo dos desenvolvidos há anos, falta apenas que os nossos representantes parem de pensar no bem individual e passem a lutar pelo bem coletivo, votem leis que acabem com essas mordomias extremamente desnecessárias e imerecidas, caçando assim essa licença para roubar que obtiveram.
É importante ressaltar que os políticos brasileiros ao aceitarem todos os benefícios, não estão agindo de maneira ilegal, mas estão agindo de maneira imoral.
E antes que pensem em qualquer tipo de processo, vai aí um pedaço da Constituição Brasileira:

Art. 5°, IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;
Art. 5°, IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;
Art. 5°, XIV - é assegurado a todos o acesso à informação e resguardo do sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional;
Art. 220 - A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a. informação, sob qualquer forma, processo ou veículo, não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição.
§1° - Nenhuma lei conterá dispositivo que possa constituir embaraço à plena liberdade de informação jornalística em qualquer veículo de comunicação social, observado o disposto no art. 5°, IV, V, X, XIII e XIV;
§2° - É vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística.
Pra finalizar: “O que mais preocupa não é o grito dos violentos, nem dos corruptos, nem dos desonestos, nem dos sem ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons” (Martin Luther King)

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Eu escolhi esperar


 
 
O Fato:

Entenda o movimento #euescolhiesperar

Eles escolheram não fazer sexo, ao menos, não por enquanto, por isso, a hashtag #euescolhiesperar está bombando no Twitter. A campanha, que prega a castidade entre os jovens, começou há alguns anos nos Estados Unidos e só agora ganha força no Brasil. Há quase dois meses, a ONG Mobilizando o Brasil (MOB) lançou a campanha #euescolhiesperar em um site e já conta com quase 4 mil adeptos no Facebook. No Twitter, são mais cerca de 20 mil seguidores do perfil @EscolhiEsperar
Quem está por trás da MOB, com sede em Vitória (Espírito Santo) são pastores e movimentos evangélicos, padres e outras correntes e congregações cristãs. Algumas delas são: Associação de Pastores Evangélicos de Vila Velha, Associação de Pastores da Grande Vitória, Grupo de pastores no ES e Ministério Cristo em Mim.
Os adeptos a prática de não praticar sexo, usam as redes sociais para divulgar o movimento e conhecer mais gente que pensa parecido. Alguns aderiram a uma aliança que simboliza seu compromisso com a castidade. Lá fora, os maiores símbolos da campanha, que chegaram a usar um “anel de pureza”, os astros teen Demi Lovato, os Jonas Brothers, Miley Cyrus e Selena Gomez – hoje, a maioria já deixou o acessório de lado. 

A Opinião:
Num tempo onde a valorização da vulgaridade está chegando em pontos extremos, um grupo decide começar um movimento que vai na contramão. Para uns é uma tentativa de resgate de valores que vinham se perdendo, mas para outros seria um retrocesso, uma volta aos antigos tabus.
Fala-se muito sobre a influência da religião, mas estamos em um momento que a preocupação não é apenas dos religiosos, a preocupação com doenças como a AIDS e com gravidez precoce e/ou indesejada povoa a cabeça inclusive de pessoas não religiosas que aderem esse movimento. Pelo fim da banalização do sexo.
A forma mais segura de sexo ainda é com uma aliança nos dedos, por mais liberal que a pessoa seja, não há como negar que a chance de um casal, que se preservou virgem até o casamento, contrair doenças sexualmente transmissíveis é praticamente nula. Além disso, a promiscuidade diminuiria.
Mas um outro grande debate que pode surgir a partir dessa notícia é sobre o poder das redes sociais. Para muitos as redes sociais possuem um grande poder de mobilização. Outros acreditam que é apenas um espaço para desabafos. Enfim são temas que vão gerar discussões eternas.


O Debate:

Você é favorável a preservação da virgindade até o casamento?
As redes sociais serão capazes um dia de moldar o comportamento da sociedade?