Google+ Seguidores

Leitura sem fronteiras - Tradutor

domingo, 6 de novembro de 2011

Cartão de crédito pré-pago


O Fato:

Cartão de crédito também na opção pré-pago

Uma forma de crédito lançada desde o primeiro semestre deste ano está se consolidando no Brasil e vem, agora, focar principalmente as cerca de 50 milhões de pessoas as quais o Banco Central estima que não possuem conta bancária e também os 55% da população economicamente ativa brasileira que ainda recebem mensalmente o salário em espécie. Trata-se do cartão de crédito pré-pago.
Com ele, a partir da contratação e o pagamento de algumas taxas, o consumidor poderá fazer uso de um sistema semelhante ao do celular pré-pago, ou seja, contratar uma quantia por determinado tempo para que dela sejam descontadas as compras realizadas com o dinheiro de plástico.
Neste semestre, no entanto, na busca por atingir as camadas mais baixas da sociedade, aquelas que ainda não são bancarizadas, os cartões private labels, ou cartões de loja, também estão sendo trabalhados como pré-pagos pela Mastercard.
E uma das vantagens evidenciadas pela nova forma de compra é a não obrigatoriedade da avaliação da situação do crédito do consumidor, possibilitando as pessoas que estão com o "nome sujo" de também se utilizar da ferramenta.
"Estamos em um momento propício para isso: o mercado de pré-pagos está em plena expansão na América Latina, onde atualmente representa US$ 12 bilhões em oportunidades e poderá chegar a US$ 80 bilhões em 2017", afirma Alexandre Magnani, vice-presidente de Desenvolvimento de Negócios da MasterCard Brasil e Cone Sul.
A empresa na qual trabalha é responsável pelo primeiro cartão pré-pago no Brasil, concretizado em conjunto com o banco PanAmericano, no fim de abril deste ano.
Em termos percentuais, o diretor de cartões do PanAmericano, Eliel Teixeira de Almeida, aponta uma rejeição de 40% para os pedidos de cartão no Brasil, o que seria praticamente anulado com o uso do pré-pago.
Outro destaque dado pelos executivos é em relação ao controle de despesas proporcionada pelo novo tipo de cartão, pois o usuário dele acerta a quantia a ser gasta com antecedência.
Eliel ainda explicou que o cartão é protegido por senha e em caso de perda ou roubo pode ser bloqueado e o saldo contratado mantido. "O Cartão Pré-pago é uma oportunidade de automação das compras desta parcela da população e uma alternativa para o pagamento de salários de indústrias e a transferência entre cartões pré-pagos também será uma solução atraente para remessa de dinheiro para outro portador", finalizou o diretor de Cartões do banco PanAmericano.
 

Fonte: Diário do Nordeste

A Opinião:

O mercado arrumou um novo jeito de "deitar e rolar", um cartão de crédito onde quem coloca o crédito é o cliente. Se vai fazer sucesso? Certamente

Motivos: 

Quem não possui conta em banco pode preferir pagar as taxas do cartão de crédito pré-pago do que as taxas de manutenção de conta nas agências bancárias.

Pode ser a "mesada do futuro", uma vez que assim é possível controlar os gastos no cartão.

Os brasileiro preferem que algo controle as suas ações do que simplesmente sentar e montar um orçamento, com o cartão pré-pago vai ser possível transferir a responsabilidade.

É a circulação do capital se tornando mais complexa a cada dia.


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário