Google+ Seguidores

Leitura sem fronteiras - Tradutor

sábado, 16 de julho de 2011

Itaquerão (Fielzão) e Tevez


O Fato número 1:

Comitê aceita garantias financeiras para construção do Itaquerão

As 12 cidades que serão sede da Copa do Mundo de 2014 já provaram ao Comitê Organizador Local (COL) que têm os recursos para construir ou modernizar os estádios que ofereceram para a competição, após a aceitação das garantias financeiras oferecidas por São Paulo, a única que faltava.
Após as finanças para a construção do Itaquerão terem sido aprovadas, "ficou resolvida a última dúvida em relação ao financiamento dos estádios para a competição em 2014", segundo comunicado emitido pelo COL.
O Comitê, no entanto, esclareceu que anunciará apenas em outubro quais serão as cidades nas quais serão realizados o jogo de abertura e a final da Copa. Contudo, há um acordo para que o Maracanã sedie a decisão, enquanto São Paulo, Belo Horizonte e Brasília pleitam a primeira partida.
O COL, no entanto, destacou o empenho tanto das autoridades regionais e municipais de São Paulo quanto do Corinthians, que será dono do estádio, para obter os recursos necessários para assegurar que a maior cidade do país também será sede do Mundial.
"Essa aprovação em tempo recorde (menos de um ano) é fruto do empenho do Corinthians e do poder público de São Paulo, especialmente do governador Geraldo Alckmin e do prefeito Gilberto Kassab", afirmou o presidente do COL e da CBF, Ricardo Teixeira, citado na nota.
As garantias financeiras foram apresentadas na segunda-feira, depois que o Corinthians chegou a um acordo para que a construtora Odebrecht, que se encarregará da construção, também será responsável pela captação dos recursos.
Conforme o acordo, as obras serão garantidas por um fundo de investimentos imobiliários a ser criado e que venderá participações no mercado. Tal fundo terá a Odebrecht em sua estrutura, o que garante que a construtora ajudará a financiar a obra.
O clube paulista obterá parte dos recursos para financiar seu estádio de um crédito de R$ 400 milhões oferecido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Além disso, o Corinthians também se beneficiará de uma lei aprovada no mês passado pelo Conselho Municipal de São Paulo e que lhe garante isenções fiscais de R$ 420 milhões para a obra.
Em março, a Fifa chegou a ameaçar excluir São Paulo da Copa pela demora em definir o estádio que será utilizado na competição e em apresentar as respectivas garantias financeiras.
A entidade, além disso, retirou a capital paulista da lista de cidades que organizarão a Copa das confederações, que será disputada em 2013.


O Fato número 2:

Jornais ingleses dizem que Corinthians subiu proposta por Tevez

Na quinta-feira, Andrés Sanchez assegurou que o Corinthians não aumentaria "um centavo" da proposta de 40 milhões de euros (cerca de R$ 89 milhões) que fez ao Manchester City para contratar Carlos Tevez. Menos de 24 horas após a declaração, porém, os jornais ingleses apontam uma nova oferta de 40 milhões de libras (R$ 101,4 milhões) do clube brasileiro.
De acordo com o Daily Mail, os corintianos fizeram a nova proposta, equivalente a 45,5 milhões de euros nesta sexta. Já o The Telegraph informa que Andrés Sanchez ofereceu os mesmos 40 milhões de euros, mas com 4 milhões de euros adicionais, totalizando a oferta em 44 milhões de euros (R$ 98 milhões).
De qualquer forma, a confirmação de Tevez como reforço do Corinthians está próxima de acontecer de maneira oficial. O provável aumento na proposta explica a proximidade do acerto oficial da negociação.
O Manchester City gostaria de receber 50 milhões de libras (quase R$ 127 milhões) para se desfazer de Tevez, mas o forte desejo do jogador em deixar o futebol europeu deve convencer os ingleses. O clube ainda negou uma oferta de 52 milhões de euros (quase R$ 116 milhões) da Juventus, da Itália, comentada por Andrés Sanchez. 

A Opinião:


Algo cheira muito mal nessa história. Analisando os dois fatos, de um lado temos a construção de um estádio privado com precioso e generoso auxílio de recursos públicos e isenção fiscal e de outro o mesmo clube, que depende desse auxílio, disposto a gastar em torno de R$ 100 MILHÕES  para contratar apenas um jogador.
Vejo muitos louvando o poder aquisitivo dos clubes brasileiros que passam a repatriar craques, mas não vejo ninguém falando em investigar essas cifras milionárias em um país que pretende erradicar a pobreza.
Essa série de eventos no Brasil não podem servir para aumentar a maracutaia, do contrário, em vez de lucro e destaque internacional, estaremos mergulhados em dívidas e crise. Precisamos ter senso crítico e analisar friamente cada notícia.
Acho estranho um clube se reestruturar a esse ponto em apenas 3 anos, basta lembrar que em 2008, o mesmo Corinthians estava na série B do campeonato brasileiro e em crise.
Mas o futebol é um negócio extremamente complexo, acho que até demais para a cabeça do povo brasileiro que prefere continuar batendo palmas para maluco dançar.


O Debate:

Você é a favor da isenção fiscal para o Itaquerão?

2 comentários:

  1. Sai pra lá seu invejoso...5a0 paulino feguêis ehehehe

    ResponderExcluir
  2. Larga de ser ignorante, anonimo, seu virgem das américas e analfabeto. Nenhum clube brasileiro, mesmo com patrocínios milionários, marketing de primeira e títulos em sequência, o que não é o caso do Corithians rsrsrs, acumularia esse dinheiro em pouco tempo, aliás nao teria condições de contratar um jogador vindo do estrangeiro, no caso, da Inglaterra, onde tem um dos 3 principais campeonatos do mundo... obviamente o Corithians tem a MSI por trás, que aliada à Kia Joohrabchian, lava dinheiro aqui neste país sem lei... aconselho à comprarem a revista Placar desse mês que mostra os esquemas de Kia, onde ele atua, seus clubes barriga de aluguel que nem o Corithians... sobre o estádio, acho que o Corinthians deveria se inscrever no programa do Governo "Minha casa, minha vida", já que está usando dinheiro do Governo de forma ilícita, por que não usar de forma lícita? Só se inscrever que ganha uma casinha "dahora".

    ResponderExcluir