Google+ Seguidores

Leitura sem fronteiras - Tradutor

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

O MST está se perdendo




O Fato: 

Grupo do MST invade sede do Incra em Campo Grande

Quase 200 trabalhadores rurais ligados ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) invadiram na manhã de hoje a sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Campo Grande. Eles estão com colchões, cobertores e agasalhos para permanecerem vários dias no local. A procuradoria do Incra informou que pediu reintegração de posse do prédio e aguarda as providências.
A manifestação é contra a paralisação do processo de assentamento de sem-terra no Estado, que ocorre desde agosto do ano passado quando o superintendente local na época, Waldir Cipriano Rabelo, foi exonerado depois ser preso pela Polícia Federal (PF), por envolvimento em denúncias de irregularidade praticadas contra o órgão. Os invasores estão reivindicando também a nomeação do superintendente.
Em Itaquiraí, extremo sul de Mato Grosso do Sul, sem-terra do MST que habitam o maior acampamento da região saquearam 38 toneladas de pacotes de arroz, feijão, farinha de trigo, além de guloseimas como pipoca, amendoim e bolo.
O ataque aconteceu no início da noite de ontem, quando um caminhão da empresa Zaeli foi parado em uma barreira formada por sem-terra armados com facões e foices. O motorista foi obrigado a levar o veículo até o acampamento, situado na rodovia MS-487, onde vivem 400 famílias de sem-terra do MST. A empresa confirmou o ataque, que é o segundo do gênero neste ano ocorrido no local.
Fonte: Diário do grande ABC
A Opinião:

A Reforma Agrária é necessária no Brasil e o MST foi muito importante para chamar a atenção para esse fato. Começou como um movimento social, que cresceu e começou a se perder.
A causa é justa e é correta, mas o movimento fez questão de perder a razão devido a um grupo dentro do próprio MST que decidiu agir de maneira irresponsável e precipitada, acirrando os conflitos, perdendo apoio de grande parte da opinião pública e deixando se envolver pela corrupção.
Infelizmente, as boas pessoas que precisam de terras acabam sendo prejudicados pelas maracutaias que começaram a surgir nesse movimento, assim como as boas pessoas que possuem grandes terras produtivas começam a ser ver ameaçadas. Os maus de ambos os lados estão aproveitando a baderna para se beneficiar, ou seja, tanto os donos de latifúndios improdutivos, pois a Reforma Agrária se torna mais lenta, quanto os que aproveitam o movimento fazendo dele uma profissão.
A Reforma Agrária é fundamental, mas precisa ser discutida e realizada de maneira correta. Esse grupo do MST, que está agindo contra a lei, realizando inclusive saques, precisa ser investigado e punido, para que os componentes sérios do movimento, que querem apenas trabalhar e viver com dignidade possam retomar e acelerar as negociações com o governo.
Sou favorável a desapropriação dos latifúndios improdutivos, mas desde que haja seriedade e justiça.

2 comentários:

  1. Esse pessoal do MST é um bando de vagabundo, que na maioria das vezes, usam as pessoas como massa de manobra pra conseguir terra de graça e vender depois...

    ResponderExcluir
  2. Pra mim o MST já se perdeu há muito tempo, nem sei se dá pra falar mais de um MST... ele já se dividiu, já existe sub grupos... sei lá. Fora que existem pessoas que se profissionalizaram em invadir, mesmo já tendo conseguido seu pedaço de terra. A causa é nobre, apesar ter minhas reservas em relação a reforma agrária, mas a atuação raramente é.

    ResponderExcluir