Google+ Seguidores

Leitura sem fronteiras - Tradutor

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Brasil usa crise mundial para ganhar espaço político


A Análise da Reuters:

Brasil usa crise mundial para ganhar espaço político

Por Jeferson Ribeiro e Tiago Pariz
BRASÍLIA (Reuters) - A crise europeia está abrindo uma janela de oportunidade diplomática para o Brasil e o governo sabe disso.
Diante dos apelos que vêm da zona do euro para que os emergentes auxiliem na recuperação da região, a decisão dentro do Palácio do Planalto é de que, sim, o país pode ajudar, mas quer contrapartidas que o fortaleça diante do cenário político-econômico global.
O alvo vai desde ampliar poderes dentro de organismos internacionais, como o Fundo Monetário Internacional (FMI), até ganhar status maior dentro do cenário externo.
Fontes do governo e especialistas ouvidos pela Reuters concordam que o momento é bom para fortalecer o país lá fora, e ressaltam que o caminho econômico é o mais adequado.
"A atitude brasileira é legítima e justificada. As nações e as economias se fortalecem neste tipo de situação (de crise internacional)... Acho legítimo que o país busque ocupar o espaço que lhe cabe", afirmou uma importante fonte da equipe econômica à Reuters.
A intenção já tem ficado clara em discursos de importantes autoridades brasileiras. A própria presidente Dilma Rousseff afirmou que uma eventual ajuda à Europa poderia ocorrer via FMI, mas desde que respeitadas as reformas aprovadas em 2010, que elevaram a fatia dos emergentes no Fundo. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, também faz coro.
Na próxima semana, Dilma e Mantega vão participar da reunião do G20 --grupo com as vinte mais importantes economias do mundo--, onde vai ser discutida a situação global.
Em um encontro prévio, nesta semana, autoridades europeias chegaram a um acordo sobre medidas para enfrentar a crise de dívida soberana no continente e solicitaram ajuda dos emergentes.
Um assessor próximo à Dilma argumenta que o G20 já representa melhor o desenho da nova geopolítica mundial, mas isso ainda não se transferiu para estruturas formais como a Organização das Nações Unidas (ONU), o FMI, o Banco Mundial e outros organismos. Isso poderia acontecer agora.
MEDIDAS NÃO RECESSIVAS
Na avaliação do governo brasileiro, o receituário de demissões em massa de funcionários públicos, adotado nas economias com maiores dificuldades na Europa, não soluciona o problema. Esse deve ser o tom do discurso de Dilma na reunião do G20 e nas conversas bilaterais que terá antes da cúpula.
Em Bruxelas, no início de outubro, Dilma já havia se posicionado contra "ajustes fiscais recessivos" para enfrentar as turbulências.
Especialistas também concordam que o Brasil tem de aproveitar o momento para fortalecer sua posição na cena externa.
"É um momento propício para uma guinada na história, já que os países emergentes estão saindo em socorro da Europa", disse o embaixador Roberto Abdenur, que ocupou o comando da diplomacia nos Estados Unidos e na China.
O professor Antonio Jorge Ramalho, do Departamento de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB), ressalta que o atual governo tem adotado uma política externa mais discreta, com uma atuação mais de bastidor do que a vista na administração do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Nem por isso a estratégia é menos eficiente.
Para ele, a crise tem dado ao país oportunidade de ganhar terreno também na área de cooperação internacional. Com os países ricos sofrendo restrições orçamentárias, o Brasil tem aumentado presença em lugares como África e Haiti por meio de acordos de cooperação, muitas vezes em articulação com outros emergentes.
"O governo está conseguindo ocupar espaços",  afirmou o professor.
Para diplomatas de representações estrangeiras, nas questões políticas o Brasil ainda tem posição frágil e até agora não conseguiu estar à frente das discussões. No entanto, o pedido dos líderes europeus mostra que o país está em outro patamar nas questões econômicas da arena internacional.
"Têm algumas coisas que o Brasil não faz e deveria fazer. Por exemplo, tomar iniciativa de ajudar países não só com dinheiro, mas remédio, alimento --e não esperar uma coordenação internacional", disse um dos diplomatas, sob condição de anonimato.
Segundo uma fonte do Itamaraty, o Brasil quer ter papel de protagonista, participando de detalhes das discussões, e não ficar escanteado. "Não queremos ser chamados para assinar o acordo e posar para a foto", disse.
(Colaboraram Patrícia Duarte, em São Paulo, e Isabel Versiani, em Brasília)

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário